Concurso Degase (RJ) 2015 tem 332 vagas abertas

Certame oferece 332 vagas temporárias para diversos cargos.

Frente à crise política e do mercado financeiro do País e diante de tantos desempregos que surgiram nessa época, uma ótima oportunidade para quem não quer ficar fora do mercado de trabalho é participar do concurso da Degase no Estado do Rio de Janeiro. Esse órgão aplica medidas judiciais nos casos de adolescentes que estão em conflito com a lei.

Foi anunciada realização de processo seletivo para o Departamento Geral de Ações Socioeducativas do Rio de Janeiro que fica localizado na Estrada do Caricó, nº 111, Galeão. Os projetos realizados são em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio. Esse concurso foi autorizado pelo Governador Luiz Fernando Pezão por meio do decreto nº 45.424/2015 de 22 de outubro de 2015 e serão disponibilizadas 332 vagas temporárias para profissionais de nível de escolaridade fundamental, médio e superior.

Os cargos para serem ocupados serão para Médico, Enfermeiro, Farmacêutico, Assistente Social, Psicólogo, Pedagogo, Técnico em Enfermagem, Auxiliar Socioeducativo (tanto para o sexo feminino quanto para o sexo masculino) e Motorista. A maior quantidade de vagas é para Auxiliar Socioeducativo masculino e a menor quantidade de vaga é para o Farmacêutico.

Vale destacar que existem vagas abertas para pessoas portadoras de alguma deficiência, desde que o cargo não seja conflitante com a deficiência portada. Essa porcentagem é de 5% do total de cargos. Uma ótima chance e abre portas para que as pessoas tenham sucesso na carreira.

A contratação dos inscritos aprovados será por prazo determinado durante o período de dois anos, sendo possível a continuidade do mesmo por mais um ano, desde que tenha motivo justificado.

A jornada de trabalho será de 40 horas por semana e os salários variam entre R$ 2.140,50 para quem tem ensino fundamental, R$ 2.752,57 para quem possui formação no ensino médio e R$ 3.144,26 para quem já é graduado, a depender também da vaga que o candidato escolher para concorrer.

Por Paula Barretto Guerra