Escrevente Judiciário – O Que Faz, Requisitos, Salários e Benefícios da Carreira

Conheça todos os detalhes sobre a carreira de escrevente judiciário.

Em todo o serviço público brasileiro, as vagas em aberto que requerem somente o ensino médio são as mais disputadas entre os concurseiros, pois o salário é bastante atrativo se fizermos uma comparação com empresas privadas.

O concurso para o Tribunal de Justiça do estado de São Paulo (TJ/SP) publicou no último dia 31 de março, 590 vagas para o cargo de escrevente técnico judiciário, com vencimentos iniciais de R$ 5.697,16 com exigência apenas do nível médio. Os benefícios são vários, como estabilidade profissional e financeira, bons salários, diversas mordomias oferecidas pelo serviço público brasileiro, além do fato de trabalhar em um dos órgãos mais disputados no Brasil. Nesse artigo, vamos esclarecer quais as funções de um escrevente judiciário e o que ele faz no dia a dia no Tribunal de Justiça.

Uma das atividades dessa profissão é lidar com todos os processos administrativos de forma direta, ou seja, fazer a emissão de mandados de busca ou ofícios, preparar todo o expediente diário, além de todo o acompanhamento da situação de cada processo. Todas as atribuições do órgão são chamadas de ordem administrativa. Na função de escrevente técnico judiciário, o trabalho no Tribunal de Justiça consiste em fazer a autuação de petições, expedição de cartas e atendimento ao público em geral, advogados em sua maioria.

Na verdade, qualquer cidadão pode-se tornar um escrevente, mas aqueles que tem maior facilidade em trabalhar em equipe e sabem lidar com o público em geral podem se sobressair melhor na profissão e o trabalho se tornar mais prazeroso.

O contratado para exercer essa função pode atuar em algum cartório determinado ou trabalhar dentro do próprio Tribunal de Justiça, diretamente com um juiz.

Acredita-se que no futuro as atribuições para o cargo de escrevente judiciário poderão ser mais seletivas do que as atuais.

Os requisitos para quem quiser se candidatar ao cargo de escrevente judiciário são: ser brasileiro nato, ter 18 anos completos, ensino médio completo, estar em dia com todas as obrigações civis e militares e não ter tido passagem pela polícia.

Rodrigo Souza de Jesus

Dicas para estudar antes do edital ser lançado

Organização e a escolha da área de atuação são dicas valiosas para quem quer se preparar antes do edital sair

Que tal conhecer dicas valiosas que vão te ajudar a passar em um concurso público que vai ser lançado na sua cidade, no seu estado ou até mesmo no Brasil? Se você quer saber como estudar e ficar bem preparado para realizar uma prova, saiba que abaixo vamos descrever algumas informações que são infalíveis para que tire uma boa pontuação e seja qualificado. Não deixe de conferir.

Muitas pessoas de todo o Brasil sonham em conquistar um cargo público, por isso, só aqueles que estão bem preparados vão obter a pontuação mínima exigida, então saiba que a primeira coisa que precisa ter é:

1- Organização

Estudar para uma prova exige uma boa preparação e organização de espaço e tempo, então veja qual é o período que tem disponível para a realização de uma rotina. No seu planejamento, verifique quais disciplinas que vai estudar e o momento para descansar. O ideal é ter pelo menos 15 minutos de pausa.

2- Estudo

Na hora de escolher as matérias de estudo opte por disciplinas básicas, pois elas serão as mesmas para todos os concursos públicos. Depois foque nas áreas específicas do cargo que escolher.

3- Ler o edital

Tenha atenção nas informações que constam no edital, pois nesse documento existem dados do conteúdo que vai cair na prova, o número de questões e o tempo que vai ter para responder as questões.

As matérias básicas são de língua portuguesa, matemática, conhecimentos gerais e atualidades.

4- Área de Atuação

É fundamental ter em mente qual a área que deseja atuar, pois dessa forma se torna possível criar uma boa programação de estudos com o objetivo de analisar somente o que é válido para o cargo.

Quando um edital for lançado, faça uma breve observação de quais são as áreas de atuação que estão disponíveis e quais são as que combinam com o seu perfil, não tendo como foco principal a remuneração.

Por Yasmin Fernandes Robles

Pessoas estão interessadas em investir na carreira pública

Em meio à crise, pessoas querem buscar a carreira pública por apresentar estabilidade profissional e financeira.

O ano já está no seu segundo trimestre e a economia não está das melhores. Não vivemos uma crise de arrancar os cabelos, mas o atual cenário é preocupante. Em menos de cinco meses já passamos pelo aumento no desemprego, aumento do dólar, da inflação e perda da confiança no poder público. Além disso, ainda tem uma crise política que só aumenta a sensação de insegurança.

Como há um jeito para quase tudo, muita gente tem buscado a carreira pública, principalmente pela sua estabilidade profissional e financeira. Quem ingressa no funcionalismo público tem salários em dia, benefícios exclusivos, plano de carreira e a possibilidade de atuar em importantes órgãos governamentais, os quais aumentam as possibilidades.

Vale ressaltar que o salário médio é mais alto que muitos empregos privados na mesma função, entretanto, este não é o único atrativo. O funcionalismo público pode trazer uma satisfação maior, sobretudo quando representa um desafio, que começa no momento dos estudos. Além disso, há uma maior facilidade em se programar para o futuro, traçar objetivos e realizar sonhos que só a estabilidade financeira pode trazer.

O funcionalismo público também proporciona uma aposentadoria mais segura, uma vez que o concursado pode optar pela previdência do órgão ou privada, que garantirá maiores ganhos neste momento. O atual cenário de crise faz com que as pessoas invistam mais em educação e como não é fácil passar em algumas seleções públicas, o ideal é ter uma rotina de estudos eficiente.

As vagas mais concorridas demandam uma maior preparação e isso em diferentes níveis. Este ano será de grandes oportunidades no âmbito municipal, estadual e federal. A cada dia novos editais são abertos e isso atrai muita gente. São diferentes setores que precisam de mão de obra e uma boa ideia é buscar aqueles nichos que não despertam tanto interesse. Depois é só tentar aquela seleção mais acirrada, quando estiver mais bem preparado para enfrentar a concorrência. 

Por Robson Quirino de Moraes